Dimensões do Ser e do viver: os mundos que habitamos

Quais são as fases pelas quais passamos na vida? Como elas influenciam e nos ajudam a desenvolver a nossa personalidade?

 

Desde que nascemos até alcançar a fase idosa, vivenciamos transformações que nos permitem amadurecer e desenvolver quem somos.

Com base na Antroposofia, entendemos que esse processo de desenvolvimento acontece ao longo da vida por meio de uma curva biográfica.

Essa curva entende as fases da vida em três partes: a biológica, a psíquica e a espiritual.

As grandes fases se traduzem nos 3 mundos que habitamos.

 

O que é Antroposofia?

 

Antroposofia é compreendida por Rudolf Steiner como uma Ciência Espiritual, é uma forma de nos conhecermos e termos consciência do mundo ao redor.

Ao mesmo tempo, é entendida como uma filosofia, um caminho para o conhecimento espiritual e nesse caminho reúnem-se conhecimentos esotéricos. 

O próprio nome já dá indícios: “Antropos” que significa homem e “Sofia” que é sabedoria. Logo, a sabedoria que é e está no homem. Entende-se como uma sabedoria cósmica.

Foi pela iniciativa de Steiner de estudar sobre o propósito da vida por um caminho acadêmico cognitivo, posteriormente se inspirando nas obras de Goethe para desenvolver o que chamaria de sociedade antroposófica – o Goetheanum, que se criou o suporte para tratar das dimensões do ser.

 

As fases da vida e a imagem biográfica

 

A metodologia biográfica é trazida por Gudrun, no livro “Tomar a vida nas próprias mãos”, em que ela se baseia nos estudos de Steiner, trabalhando a organização do mundo espiritual.

Como acessar esse mundo e esses conhecimentos? Isso se dá através da imagem holística, sobre o mundo e sobre o homem. 

Gudrun traz impulsos originados na Europa para o Brasil, fundando a primeira escola de aconselhamento biográfico no Brasil.

Bernard Lievegoed, um psiquiatra holandês, também tratava sobre essa imagem, sobre as fases da vida e as leis que regem a biografia humana

Especificamente no livro “Fases da vida – crises e desenvolvimento da individualidade”, ele traz a imagem espiritual do homem como a imagem biográfica do homem.

E isso tudo desencadeia a curva biográfica e os 3 mundos que habitamos.

 

Os 3 mundos que habitamos

 

A curva biográfica está representada pelos três mundos, são eles que compõem a curva:

  • A curva do Eu superior, da individualidade;
  • Curva do amadurecimento biológico;
  • Curva da alma, do amadurecimento psíquico.

 

A curva da individualidade é o desenvolvimento do espírito, a parte eterna em nós. 

Na Antroposofia, considera-se a alma como diferente do espírito. O espírito é a parte eterna em nós que encarna e encontra o caminho na Terra, norteando os passos na vida.

O amadurecimento biológico é a linha de desenvolvimento do nosso corpo físico e biológico, da matéria que vemos e tocamos. 

Já a curva da alma é representada pelos nossos sentimentos, o que queremos, o modo como observamos e interagimos com o mundo.

Podemos pensar nisso através de três imagens também.

A imagem do homem na medicina é uma imagem materialista e obedece a relação entre maturação e declínio, é nascer pequeno e crescer, para depois do ápice experimentar o movimento de declínio.

A imagem psíquica é diferente, considera a relação entre extroversão e introversão. A extroversão como o movimento que fazemos para ir para fora e ver o mundo e introversão como a prática de olhar para dentro, explorar o autoconhecimento.

A imagem espiritual, por sua vez, já considera a polaridade entre criatividade e sabedoria. Uma criança, quando nasce, encanta os outros com a pureza e a luz em volta dela. Conforme a vida passa, vamos internalizando essa criatividade até que ao chegar na fase madura, toda a experiência de vida acumulada é vista pelos outros como sabedoria.

Uma criança saudável é muito criativa e para ela alcançar o ponto de sabedoria, precisa sustentar a vitalidade e garantir que a individualidade encontre as condições necessárias para se expressar e se desenvolver.

A visão dos 3 mundos compreende que é importante para as pessoas reconhecerem o Eu superior, a dimensão que toma decisões e que revela e encontra os valores durante a vida.

Tudo isso se organiza em três períodos da vida humana, os períodos em que ganham mais ênfase o amadurecimento de cada corpo. Com isso se traduz a vida, no tempo e no espaço.

Quando nascemos até os 21 anos, a ênfase se encontra no mundo biológico. Dos 21 aos 42, a ênfase está no mundo anímico/psíquico. Enquanto dos 42 aos 63, o foco se encontra nas consciências espirituais ou sociais.

São esses os setênios, períodos de 7 anos cada, em que caminhamos e desenvolvemos nos 3 mundos que habitamos. 

Quanto mais amadurecemos, mais tomamos consciência da nossa alma e da alma da nossa Consciência. 

Todo esse conteúdo é aprofundado na série O Humano em Nós – 1ª Temporada. Você pode garantir o acesso aos episódios por seis meses clicando nesse link.

A série é ministrada por Karina Schmidt Brancher, psicóloga e aconselhadora biográfica, e busca promover um caminho de compreensão sobre os mundos que habitamos, as profundidades da alma humana e como ela se relaciona com o mundo e com outras partes de nós.

Em julho lançaremos a segunda temporada, e também teremos a 3ª edição da Imersão do Biográfico Antroposófico, então não deixe de acompanhar os nossos canais para saber de tudo.

Aliás, hoje, dia 10 de junho, estamos iniciando uma nova série em áudio: Ritmos da Vida. Durante as próximas semanas, a Karina vai nos contar sobre a simbologia, desafios e tarefas de cada setênio. Para acompanhar esse e outros conteúdos exclusivos, gratuitamente no nosso Canal do Telegram, basta clicar aqui.

E se você já conhece a Antroposofia, assistiu a série e/ou participou da Imersão do Biográfico, conta pra gente nos comentários…

Nos vemos em breve!

.

Compartilhe:
+2
Sem Comentários

Poste um comentário